Segurança na Condução de Empilhadores

rsz_logo_hst

DURAÇÃO
16 Horas

ÁREA TEMÁTICA DA FORMAÇÃO
862 – Segurança e Higiene no Trabalho

DESTINATÁRIOS
Profissionais com experiência que operem com empilhador, ou que já tenham exercido essa atividade a nível profissional. Utilizadores ocasionais, ou sem experiência, vinculados ou não a uma empresa.

ENQUADRAMENTO
O curso de Segurança na Condução de Empilhadores e Grua Móvel surge como resposta ao dever das empresas prestarem aos seus trabalhadores e seus representantes formação adequada no âmbito da segurança, higiene e saúde no trabalho relativamente aos equipamentos de trabalho utilizados tendo em atenção o posto de trabalho e o exercício de atividades de risco elevado, conforme art.o 8o do Decreto-lei no 50/2005 de 25 de Fevereiro, assim como no art.o 32o no ponto 1, os equipamentos de trabalho automotores só podem ser conduzidos por trabalhadores devidamente habilitados.

OBJECTIVO GERAL
Melhoria das competências profissionais de cada formando, permitindo aos participantes conhecer o processo geral de condução de um empilhador e as normas adjacentes de segurança e prevenção de acidentes que estão na base da condução de um veículo desta natureza.

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS
Como objetivos específicos, pretende-se que no final da ação de formação os (as) formandos (as) sejam capazes de:

  • Conhecer as exigências legais aplicáveis aos empilhadores;
  • Identificar os requisitos principais para a condução de empilhadores.
  • Conhecer as regras de segurança na condução dos empilhadores.
  • Identificar e anular os principais riscos na condução de empilhadores;
  • Manobrar e conduzir empilhadores com segurança, respeitando as normas de HST.

ESTRUTURA PROGRAMÁTICA

  • Legislação aplicada – Decreto-lei 50/2005 de 25 de fevereiro. Coimas. Inspeções.
  • Responsabilidades.
  • Aspetos Mecânicos do Empilhador
  • Requisitos para a função de condutor de empilhadores e sua formação profissional.
  • Normas e procedimentos de segurança para a condução de empilhadores.
  • Sensibilização em HST.
  • Causas de sinistralidade.
  • Movimentação mecânica de cargas – Riscos e medidas de prevenção.
  • Regulamentos para o condutor.

METODOLOGIA DE FORMAÇÃO
A metodologia da formação é predominantemente participativa e assenta na realização de situações práticas, análise de situações concretas, assim como na troca de experiências entre participante e o formador.
Os métodos a utilizar serão o expositivo e participativo/ativo.

MODALIDADE DE FORMAÇÃO
Formação profissional contínua, não inserida no Catálogo Nacional de Qualificações.

FORMA DE ORGANIZAÇÃO DA FORMAÇÃO
Formação presencial organizada em sala de formação

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM
Metodologia de avaliação baseada na participação e envolvimento dos formandos na resolução dos problemas relativos aos trabalhos e exercícios práticos, com o intuito de avaliar a aquisição, compreensão e aplicação prática dos conteúdos, bem como o alcance dos objetivos pedagógicos.

  • Avaliação Inicial de Diagnóstico
    No início da ação de formação será realizada, pelo respetivo formador, uma avaliação de diagnóstico, com o objetivo de aferir as competências iniciais dos formandos. Esta avaliação pode ser aplicada de forma oral, através de conjunto de questões colocadas aos formandos que permitam averiguar possíveis competências já adquiridas.
  • Avaliação Continua
    Tem por objetivo o acompanhamento/ controlo do progresso da aprendizagem dos formandos, no plano dos saberes, para que possam ser atingidos os objetivos pedagógicos da ação, respeitando os ritmos individuais. A avaliação contínua incidirá na forma como cada formando atingiu os objetivos pedagógicos relativos a cada módulo.

    • Os parâmetros de avaliação correspondem aos objetivos específicos;
    • É obrigatória a existência e entrega de testes de avaliação e/ou grelha e critérios de correção;
    • O aproveitamento irá depender de um resultado de maior ou igual a 10 valores;
    • Observação do Comportamento do Formando – A entidade formadora vai promover ao longo da formação a observação do comportamento do formando, através de ficha própria, tendo em atenção os parâmetros participação, responsabilidade, relações interpessoais e pontualidade. Caso o formador considere não adequado o comportamento de algum formando nos parâmetros referidos deverá comunicar fazer o registo da ocorrência em ficha própria – Ficha de Registo de Ocorrências – e comunicar de imediato a situação à coordenação.

ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DA FORMAÇÃO
O acompanhamento à formação é contínuo, quer no local da formação sob a figura do formador, quer ao nível da coordenação pedagógica.
No decorrer da formação existirá pelo menos uma avaliação à ação, por parte dos formandos, através da aplicação de um questionário. No final de cada módulo a ação também será avaliada pelo formador.
Os formadores serão avaliados no final de cada módulo, também através a aplicação de um inquérito ao seu desempenho.

REGIME DE PRESENÇAS E CERTIFICAÇÃO
Será considerada frequência com aproveitamento sempre que o formando obtenha uma classificação final igual ou superior a 10 valores (numa escala de 0 a 20 valores), e tenha registado uma frequência efetiva igual ou superior a 95% da carga horária total do curso. A frequência com aproveitamento confere ao formando o direito a receber um Certificado de Formação Profissional com uma nota final global resultante da média final da avaliação de todos os módulos.

O direito ao certificado implica:

  • A avaliação em todos os módulos;
  • A obtenção de aproveitamento na avaliação contínua;
  • A assiduidade ser igual ou superior a 95% do total de horas da ação de formação;
  • O comportamento adequado (tendo em atenção os seguintes parâmetros: participação, responsabilidade, relações interpessoais e pontualidade).

RECURSOS MATERIAIS E PEDAGÓGICOS DISPONÍVEIS PARA OS FORMANDOS

  • Bloco
  • Caneta
  • Manual
  • Videoprojector
  • Quadro para escrita
  • Exercícios de apoio à formação (quando aplicável)
  • Outro material de apoio produzido pelo formador (quando aplicável)

REQUISITOS DE ACESSO E CRITÉRIOS DE SELEÇÃO
Requisitos de Frequência
Ao nível dos requisitos de frequência para o curso foram definidos os seguintes:

  • Ativo empregado ou desempregado com idade igual ou superior a 18 anos;
  • Escolaridade mínima obrigatória de acordo com a data de nascimento ou em processo de aquisição dessas habilitações ou em processo de aquisição dessas habilitações;
  • Compreensão oral, escrita e leitura da Língua Portuguesa;

Critérios de Seleção

  • Experiência profissional: a experiência profissional é considerada critério preferencial no processo de seleção;
  • Motivações de frequência da ação: tendo esta formação como objetivos globais o reforço do nível de qualificações, procuraremos privilegiar comportamentos e atitudes evidenciadas pelos candidatos que traduzam uma vontade manifesta de melhoria das suas competências profissionais;
  • Igualdade de oportunidades: no processo de seleção, procuraremos assegurar a igualdade de sexos, pelo que em cada ação de formação pretendemos integrar 50% de Homens e 50% de Mulheres.

PERFIL DO FORMADOR/A
A execução da ação de formação será assegurada por Formadores que, estando devidamente certificados ao abrigo da legislação em vigor – portadores de Certificado de Competências Profissionais (antigo CAP) –, disponham de conhecimentos teóricos e práticos aprofundados sobre Saúde, Higiene e Segurança no Trabalho.