Trabalhos em Altura e Andaimes (TAA)

rsz_logo_hst

DURAÇÃO
16 Horas

ÁREA TEMÁTICA DA FORMAÇÃO
862 – Segurança e Higiene no Trabalho

DESTINATÁRIOS
Profissionais no ativo ou não que desempenham ou pretendam desempenhar funções no âmbito de utilização de Andaimes e ou Trabalhos em Altura.

ENQUADRAMENTO
O curso de Andaimes e Trabalhos em Altura surge como resposta ao dever das empresas prestarem aos seus trabalhadores e seus representantes para a segurança, higiene e saúde no trabalho formação adequada sobre os equipamentos de trabalho utilizados, conforme art.o 8o do Decreto-lei no 50/2005 de 25 de Fevereiro, assim como no art.o 36o, art.o 40.

OBJECTIVO GERAL
Dotar os formandos de conhecimentos específicos para a utilização adequada de equipamentos de trabalho, nomeadamente no que respeita a andaimes e medidas de proteção nos trabalhos em altura.

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS
No final da formação os formandos devem ser capazes de:

  • Conhecer e Compreender alguns conceitos de trabalhos em altura:
    • Legislação, regulamentação, Diretivas e marca CE
    • Identificação e Seleção de EPIs e EPC’s Anti-Queda
    • EPI’s e EPC’s: Linhas de Vida Verticais e Horizontais o Uso, Manutenção e Inspeção de um EPI Anti-Queda
    • Escadas, escadotes e acesso a telhados e coberturas
    • Fatores e riscos de acidente nos Trabalhos em Altura
  • Conhecer e Compreender alguns conceitos, nomeadamente:
    • Interpretação no plano de montagem, desmontagem e reconversão do andaime;
    • Segurança durante a montagem, desmontagem ou reconversão do andaime;
  • Medidas que garantem a segurança do andaime em caso de alteração das condições meteorológicas;
    • Medidas de prevenção dos riscos de queda de pessoas e ou objetos;
    • As condições de carga admissível;
    • Outros riscos que a montagem, desmontagem ou reconversão possa comportar;

ESTRUTURA PROGRAMÁTICA

Área Conteúdo programático Duração
 Trabalhos em Altura

Legislação, regulamentação, Diretivas e marca CE

1h

Identificação e Seleção de EPIs e EPC’s Anti-Queda

1h

EPI’s e EPC’s: Linhas de Vida Verticais e Horizontais

2h

Uso, Manutenção e Inspeção de um EPI Anti-Queda

2h

Escadas, escadotes e acesso a telhados e coberturas

1h

Fatores e riscos de acidente nos Trabalhos em Altura

1h

 Andaimes

Interpretação no plano de montagem, desmontagem e reconversão do andaime

2h

Segurança durante a montagem, desmontagem ou reconversão do andaime

2h

Medidas de prevenção dos riscos de queda de pessoas e ou objetos

1h

Medidas que garantem a segurança do andaime em caso de alteração das condições meteorológicas

1h

Condições de carga admissível

1h

Outros riscos que a montagem, desmontagem ou reconversão

1h

 

METODOLOGIA DE FORMAÇÃO
A formação a executar está organizada em módulos, estruturados de modo a permitir aos formandos a aquisição lógica e progressiva dos conhecimentos a desenvolver na área de formação teórica. Esta formação tem por objetivo uma aprendizagem inicial de um conjunto de conceitos técnicos específicos sobre andaimes e trabalhos em altura complementada por exercícios de prática simulada, em ligação estreita com a teoria.

Assim, os conteúdos são introduzidos através de uma breve explanação teórica por parte do formador, após a qual todos os assuntos são trabalhados pelos formandos através da realização de exercícios práticos que percorrem os assuntos abordados em cada sessão de formação. No desenvolvimento de conteúdos com caraterísticas de natureza mais prática, serão privilegiadas metodologias de formação-ação, mais dinâmicas, potenciadoras do desenvolvimento de capacidades práticas, ao nível do saber – fazer, potenciando a sua capacidade de autonomia e de auto-aprendizagem/pesquisa. Paralelamente serão privilegiados métodos pedagógicos afirmativos, centrados na transmissão de saberes do formador ao formando, enriquecidos com métodos ativos, centrados na atividade do formando enquanto agente ativo da sua aprendizagem, o que obriga a uma maior implicação do formando em todo o processo formativo.

MODALIDADE DE FORMAÇÃO
Formação contínua não inserida no Catálogo Nacional de Qualificações.

FORMA DE ORGANIZAÇÃO DA FORMAÇÃO
Formação presencial organizada em sala de formação.

PERFIL DOS FORMADORES
A execução da ação de formação será assegurada por formadores que, estando devidamente certificados ao abrigo da legislação em vigor – portadores de Certificado de Competências

Profissionais (antigo CAP) –, disponham de conhecimentos teóricos e práticos aprofundados sobre as temáticas a abordar.

Requisitos básicos de seleção:
Técnico Superior de Saúde, Higiene e Segurança no trabalho.

RECURSOS MATERIAIS E PEDAGÓGICOS NECESSÁRIOS

  • Experiência profissional relevante na área (preferencial)
  • Experiência pedagógica anterior (preferencial)
  • Habilitações académicas (formação de base e/ou complementar) na área temática;
  • No que respeita às instalações e equipamentos necessários ambos os recursos serão identificados e solicitados, se for o caso, através da Ficha de Espaços e Equipamentos.MATERIAL A ENTREGAR AOS FORMANDOS
  • Recursos mediante as necessidades detetadas pelos formadores, devendo ser solicitados à Multicompetências, pelos mesmos.
  • Capa
  • Folhas
  • Caneta
  • Manual/material de apoio à formaçãoAVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM
    Relativamente à avaliação, enquanto parte integrante do processo formativo, privilegiamos as seguintes dimensões de análise:
  • Avaliação de Diagnóstico
    Realiza-se no início da ação de formação através da qual o formador procura aferir das competências já adquiridas pelo formando através de processos de aprendizagem formais ou informais; Esta avaliação inicial de diagnóstico pode ser concretizada de forma oral ou escrita, critério a definir pelo formador, e evidenciado no respetivo plano de sessão.
  • Avaliação Sumativa – Final
    Neste curso a avaliação da aprendizagem é realizada no final da ação, tem caráter individual e incide sobre todas as matérias abordadas.
  • Instrumento de avaliação: teste/ ficha de avaliação sumativa, da autoria do formador. É obrigatório a entrega, ao Coordenador, do teste de avaliação, grelha, critérios de correção e cotações até cinco dias antes do início da ação e a sua devolução até cinco dias após a conclusão da mesma;
    • Parâmetros de avaliação: objetivos específicos do curso;
    • Escala de avaliação: 0 a 20 valores;
    • Observação do Comportamento do Formando – Será promovida, ao longo da formação, a observação do comportamento do formando, tendo em atenção os parâmetros participação, responsabilidade, relações interpessoais e pontualidade. Caso o formador considere não adequado o comportamento de algum formando nos parâmetros referidos deverá comunicar fazer o registo da ocorrência em ficha própria – Ficha de Registo de Ocorrências – e comunicar de imediato a situação à coordenação;
    • Aproveitamento: depende de uma classificação final maior ou igual a 10 valores.

ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DA FORMAÇÃO

O acompanhamento à formação é contínuo, quer no local da formação sob a figura do formador, quer ao nível da coordenação pedagógica.

No decorrer da formação existirá pelo menos uma avaliação à ação, por parte dos formandos, através da aplicação de um inquérito. No final de cada módulo a ação também será avaliada pelo formador.

Os formadores serão avaliados no final de cada ação, também através a aplicação de um inquérito ao seu desempenho.

REGIME DE PRESENÇAS E CERTIFICAÇÃO
Regime de presenças: É obrigatória uma frequência efetiva igual ou superior a 80% da carga

horária do curso para obtenção do respetivo aproveitamento.

Certificação: A frequência com aproveitamento confere ao formando o direito a receber um Certificado de Formação Profissional com uma nota final igual à classificação obtida na avaliação final da aprendizagem.

O direito ao certificado implica:

    • A avaliação final igual ou superior a 10 valores;
    • A assiduidade igual ou superior a 80% da carga horária da formação;
    • O comportamento adequado.

       

      No caso destas condições não se verificarem cumulativamente será entregue uma Declaração de Frequência de Formação Profissional, titulo que comprova que o formando frequentou a ação de formação

      REQUISITOS DE FREQUÊNCIA E CRITÉRIOS DE SELECÇÃO

      Requisitos de Frequência
      Ao nível dos requisitos de frequência para o curso foram definidos os seguintes:

      • Ativo empregado ou desempregado com idade igual ou superior a 18 anos. Poderão ser aceites formandos com idade superior a 16 anos desde que comprovadamente inseridos no mercado de trabalho;
      • Escolaridade mínima obrigatória de acordo com a data de nascimento ou em processo de aquisição dessas habilitações ou em processo de aquisição dessas habilitações;
      • Compreensão oral, escrita e leitura da Língua Portuguesa;
      • Documentos obrigatórios:
        • Cópia de documento de identificação (BI/ CC);
        • Cópia do cartão de contribuinte;

      Critérios de Seleção
      Apenas haverá aplicação de processo de seleção a formandos, se o número de formandos interessados em frequentar a ação de formação for superior ao número de vagas disponíveis.

      Em caso de processo de seleção os critérios a considerar serão:

      • Verificação completa dos requisitos de frequência;
      • Ativos empregados cuja atividade dependa ou esteja associada à promoção da segurança e saúde no trabalho;
      • Ativos desempregados que pretendam melhorar as suas competências profissionais para reingresso no mercado de trabalho;
      • Motivação e interesse demonstrados em ingressar no curso de formação; Comportamentos demonstrados em entrevista.
      • Igualdade de Oportunidades: No processo de seleção, procuraremos assegurar a igualdade de sexos, pelo que em cada ação de formação pretendemos integrar 50% de homens e 50% de Mulheres.